26.12.07

Ira - primeiras impressoes

- o teclado nao tem acento;

- o melhor do Ira? O povo, que possui um obsessiva hospitalidade e curiosidade com os estrangeiros;

- encontro por aqui um austriaco: ele veio de bicicleta de seu pais ate aqui;

- esse austriaco e a primeira pessoa que conheco que atravessou (pedalando) a regiao autonoma de Nagorno-Karabagh (ou Alto Karabah, ou simplesmente Artsakh, como a chamam os armenios que ai vivem. Mais informacoes aqui). O Artsakh eh uma regiao cuja independencia nao foi reconhecida por nenhum pais desde a guerra com o Azerbaijao. Entre o Artsakh e a Armenia ha uma faixa de "terra de ninguem" patrulhada pelo exercito russo. Segundo ele, uma "terra de gente alegre cercada de minas terrestres";

- por intermedio do austriaco, encontrei com o Arthur, que ha mais de 2 anos viajam pelo mundo de bicicleta. Veja o site dele aqui. Um cara muito simpatico e de muitas historias;

- Hi! O ano ainda nao acabou e ja coloquei mais um post. Mas tudo bem, se eu for esperar o ano novo iraniano, soh em 21 de marco;

- depois organizo melhor isso, posto algumas fotos.

21.12.07

Último post do ano?

Pois é,

Até ia falar um pouco mais sobre o Eid Al Adha, sobre o "sacrifício" dos carneirinhos feito no meio deste "feriadão" (maldito gênio da lâmpada). Pobres animais. Mas está uma correria... não vai dar.

O Sheik se ausenta (algo raro para alguém onipresente) do blog por alguns dias. É preciso sustentar as concumbinas então vamos (os sheiks são um e são muitos) vender camelos aos (prometo, não coloco mais parênteses) persas.


Eid Mubarak,
Feliz Natal,
Feliz Aniversário,
Feliz Ano-Novo,

E um abraço de Sheik.

15.12.07

Haj


E o sr. Hany (não confundir com Honey) tirou folga para realizar a peregrinação à Meca a Haj. A Haj, assim como o jejum durante o Ramadã, é um dos 5 pilares do Islamismo.

Interessante notar como estes aspectos religiosos afetam relações sociais e instituições. Na véspera de sua partida, muitos colegas de trabalho vieram cumprimentá-lo e parabenizá-lo: a Haj é um evento importante na vida de um muçulmano, um rito de passagem, como o casamento. Aqui, as empresas são obrigadas por lei a possuírem em seus estatutos a folga para o Haj para seus funcionários muçulmanos que ainda não a realizaram. Em geral, o funcionário muçulmano com mais de 1 ano de casa tem direito a até 21 dias de folga para tal fim, não emendáveis com as férias anuais (achou estranho? E você acha normal um país como o Brasil parar por um feriado religioso?).

Mas a Haj não é algo tão simples assim, colocar uma mochila e ir à Meca. Com a expansão do Islã pelo mundo, definiu-se algumas regras para impedir um colapso demográfico na Arábia Saudita:

- em Meca, só é permitida a entrada de muçulmanos;
- para realizar o Haj, é necessário realizar uma reserva com antecipação. Dizem que existe uma taxa a ser paga, de 4.000 dólares;
- implementação de cotas por países;

Sorte da Arábia Saudita, que recebe em seu território um turismo permanente. Por esta mesma razão, penso que dificilmente a Arábia Saudita se tornará um Estado laico algum dia.

Uma regra curiosa é que, caso o fiel não tenha recursos para realizá-la, Deus automaticamente o dispensa;

A peregrinação não é apenas uma visita turística à Meca, mas todo um ritual de vestimentas, orações e visitas aos locais considerados sagrados em uma determinada ordem. É sempre realizada nesta época do ano e o seu final é marcado por um feriado de 3 dias, o Eid Al Adha, que neste ano quase coincide com o feriado de Natal, caindo nesta semana, entre 18 e 20 de dezembro.

Curiosidade: é possível encontrar em Dubai algumas imagens do Sheik Zayed vestido apenas de um pano branco em torno do corpo. Ao que tudo indica, uma representação de sua Haj.

Dezembro


E dezembro. Faz frio em Dubai, 20 graus. Hora de pensar em ligar o aquecedor. Dia que só fica claro às 7h da manhã, escurece às 5:30h.




Neva em Dubai: o mar congelou, todo mundo buscando blusas mais quentes, fazendo guerrinha de neve.



É quase Natal: gente dando tapas na própria cara e dando cabeçadas na parede até sangrar gritando: "Jingle Bells! Jingle Bells! Acabou o papeeeel!".

Uma loucura.

Mas antes...

... das concumbinas, vamos falar do filme. Algo rápido pois já passam da 1h da manhã. O filme se chama "Sous les bombes/Under the bombs" (Sob as bombas), Líbano, 2006.

Ktir good. Ao final, um espectador levanta e fuzila o diretor: "Uma mãe que procura o filho durante o bombardeio?! CLICHÊÊÊÊ!!!".

De fato, um clichê. Mas não é qualquer clichê: quando começaram os bombardeios israelenses no sul do Líbano em 2006, o diretor pegou - calma leitor! - a câmera e dois atores e saiu rodando um roteiro improvisado na região afetada. Mais ou menos assim. Isso quer dizer que as imagens, as ruínas e as outras pessoas chorando eram de fato reais. Leitor, eu sei que você gosta disso: "Era verdade!". Sem perseguições hollywoodianas ao som do sucesso do momento, sem gente morrendo fazendo caretas, sem artes marciais.

E o espectador exaltado ainda ironizou ao final da sessão: "Eu só vi um vilão no filme! É mesmo este filme anti-guerra?"

O diretor se defendeu mais ou menos assim: "O filme não defende Israel, o filme não defende o Hizbollah: o filme é apenas um retrato da vida dos civis que não tinham nada a ver com esta guerra".

Depois do filme, uma frase de "A arte da guerra" para pensar: "O objetivo da guerra é a paz".

Um dado: ao final dos ataques, o Hizbollah auxiliou financeiramente famílias afetadas pelo bombardeio, fortalecendo sua presença na região.

Mais uma balada...


... que eu perco. Mais um fim-de-semana que se vai. Mas será que eu perco mesmo? Ultimamente, as minhas chances com as mulheres estão maiores na escada rolante do shopping do que em qualquer balada. E na balada, vai-se cheio de esperança, volta-se frustrado, defumado, cansado. Estraga o dia seguinte.

Aliás, por que mais uma mulher? Será que dou conta de 16 concumbinas? Cá entre nós, 15 já está de bom tamanho. Casar? Tá louco? Fale baixo. Imagine se elas aqui do lado escutam esta heresia. Casamento é coisa séria. Casamento é procriação da espécie. Algo que exige muita preparação e muito treino (com as 15 concumbinas).

Quanta bobagem. E por falar em escada rolante, uma moçoila olhou hoje pra mim. Eu revidei. Ela re-revidou. Ai, rapaz... olhei de novo, e de novo ela olhou pra mim. Foi descendo a escada rolante e olhando...

Sabe cachorro quando corre no quintal atrás de um monte de passarinho e não pega nenhum? Foi meio assim: corri pro parapeito e olhei pra baixo. Ela já tinha descido e desaparecido na multidão. Nunca mais vou ver. Mas será que ela existiu ou foi apenas uma miragem, uma invenção para me auto-enganar, ou apenas para enganar o leitor?

Leitor, não estou mentindo. É tudo verdade! Ela olhou, sim. Mas também, olha esta foto:

Conte a quantidade de homens. Justifica-se a afobação. E o fato é que nunca mais a verei. Se por acaso a ver novamente, não lembrarei. Aliás, já quase esqueci. É assim.

"Cachorro que não pega nenhum passarinho". Já vem a leitora me xingar. "Sheik machista!". Sim! Sheik tosco: "Sheik não pegou a moçoila". De fato, foi isso que aconteceu. Mas ao menos assisti a um bom filme. E isso basta. Digo isso aqui, de pijama. É o que resta após uma balada que não existiu. E que venham as 15 concumbinas.

14.12.07

Quad bikes


Esse é uma das maiores dores-de-cabeça da polícia de Dubai ultimamente: adolescentes em quad bikes.

A criançada obesa vai toda para o deserto com seus brinquedinhos e se matam nas dunas, outras vezes se exibem dentro da cidade. Enfim, adolescente é adolescente em qualquer lugar.

No parking


Em inglês, árabe e hindi.

Dubai International Film Festival


Às vezes me dou conta de quanta coisa está acontecendo agora no inverno e nem fico sabendo.

Outro dia, saindo da Jaula Tower, descubro uma sessão de cinema gratuita no gramado de Media City, parte da programação da Dubai International Film Festival. "Before the Rains", co-produção India-USA. Nada mal.

Aliás, ainda dá tempo de pegar alguma sessão: maiores informações pelo site http://www.dubaifilmfest.com/.

13.12.07

Security Fire Watcher


Isso foi no dia em que a Shatha Tower "pegou fogo". Enfim. Há certas coisas que só acontecem na Shatha Tower, precisaria de alguns posts para destilar meu ódio. Fica pro futuro, quem sabe.

12.12.07

Merci, si, mon ami

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Minha querida aulinha de farsi":

Oi,

eu nao falo farsi, mas Merci? O passarinho me disse que obrigado eh Tashakor :) E que se vc for lah eles vao falar muito : Khuda Hafiz ou Allah Hafiz.


Postado por Anônimo no blog Dubai F. C. em Quarta-feira, 12 Dezembro, 2007

Pois é,

Sabia que alguém ia tocar no assunto (claro! Os sheiks são oniscientes), então vamos lá. Seria o sheik um mentiroso? "O sheik é um enganador!", dizem uns, "Sheik falsário! Fale a verdade!", dizem outros. Os mais exaltados gritam queimando bandeiras: "To kúúneti, Sheik daiuz!".

Leitores... (suspiro franzindo a testa, e desensebando meu óculos em minha candura branca, que após, fica com uma rodinha amarela que só sai esfregando muito com sabão) assim são as verdades do mundo. Talvez, tudo na vida se resuma a uma disputa entre verdades, e lutamos por aquelas que nos deixam mais seguros perante a complexidade do desconhecido. Foi assim (e ainda é) a luta de cientistas contra o Criacionismo. Ibéricos, indignados com as verdades árabes dominantes na península em outros tempos, empurraram-nos, mouros, para o deserto do Sahara, para o pé das montanhas do Atlas (alguns ficaram ali, na foz do Tejo). E fizeram depois enormes tapetes e afrescos comemorando massacres que até hoje decoram museus, glorificando assassinos como heróis. Massacres como a Conquista de Ceuta. E assombrados pelas novas verdades das Américas, optaram por extinguí-las e extirpá-las das Montanhas de prata e ouro. Isso por não falar naqueles que se explodem por aí, pela supremacia da verdade absoluta. Felizmente não é este o nosso caso aqui: o sheik adora novas verdades, especialmente aquelas que o incomoda (sheik masoquista?).

Tashakor, Khuda Hafiz, Allah Hafiz? Confesso: sinto-me mais confortável com "MãRRRci". Tashakor também soa familiar. Gosto desse érre: "TashakoRRRRR". Seriam os Emirados de Leemairah e de Peer Al Sikabah os centros do Universo, berço da Humanidade, de onde surgiram muitos outros povos, dentre eles os persas? Está aí uma nova verdade, que acabo de criar, e que me traz um conforto enorme...

E o leitor esperneia: "Sheik! Você está enrolando!". E o leitor pergunta: "Sheik, é verdade?". Sim, leitor, talvez seja tudo verdade (eu já disse alguma vez que há "muitas verdades" por aí?). Tal qual em português, que se diz: "Obrigado!", "Valeu!", "Que Deus lhe pague em dobro!", ou "Muito agradecido!".

Ligo a rádio "Dubai Eye" e o idioma que ouço não me diz nada. Só um zum-zum-zum, e um aRR-aRR-aRR, ambos cantados de maneira singular, entremeados de um sonoro "MãRRRci". É farsi.

Merci: isso é o que sobrou de um passado talvez nem tão glorioso de guerras, invasões, e sobreposições de sangue, impérios e verdades, um léxico estendido que os puristas absolutistas chamam de poluído. Irã, Síria, Turquia, Armênia. Nestes países, pode dizer merci, que o seu interlocutor provavelmente entenderá. E se passar pelo Líbano, esnobe, misturando com árabe: "merci ktir!".

Takashor!

Massalama.

Mais um site de empregos

douglas deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Procurando emprego em Dubai":

Boa tarde, Sheik

Gostaria de saber como proceder para ir trabalhar em Dubai.

uns dias atraz assitir uma reportagem especial sobre Dubai mim encatei com este lugar, muita pessoas, trabalhados , ñ tem muito roubos, entendo um pouco o ingleis e falo um pouco do Franceis minha area e trabalha em Restaurantes como garçom de hotelaria, ou de eventos vc pode mim dar alguma resposta meu nome e Douglas e tenho 22 anos e-mail:
...



Postado por douglas no blog Dubai F. C. em Quarta-feira, 12 Dezembro, 2007

Masa Al Kheir, Douglas!

Olha só: muitas pessoas, como você, passaram por aqui pedindo empregos na área de hotelaria e restaurantes. Não consegui responder para ninguém, então vai esta resposta aqui, um pouco coletiva.

O conselho que eu dou é: procure nos sites de emprego e de hotéis da região. Como já disse anteriormente, é a maneira mais barata e fácil de encontrar algo de acordo com seu perfil.

E aqui vai um link para mais um site de empregos na região:

http://www.recruitgulf.com/ (deixo claro que o sheik não ganha nada com essas indicações. O Sheik só quer ajudar).

Procure por empregos na categoria "Hotel & Catering". Há algumas coisas por lá.

É isso aí.

Abraço de sheik.

Casando em Dubai II: Sheikha Leitora responde

E quem disse que o sheik não aprende com você, leitor?

Cara Danniely, o post "Casando em Dubai" recebeu um comentário sensacional, muito didático, muito pertinente. Como nem todo mundo lê comentários, tomo a liberdade de torná-lo mais visível aqui:



Olah,

seu conselho foi bom, achei q fosse dizer o mesmo q os pais dela, mas me surpreendeu.

Danniely, soh vou incrementar a resposta dele..se eu fosse voce eu procuraria conhecer a religiao dele e saber sobre ele e oq pensa, pois ao casar voce nao pode ter duvidas do tipo que voce tem (o casamento q n dah certo eh so dor de cabeca).

1.Voce sabia que, se ele fosse praticante na religiao dele, nao estaria namorando com voce? No Islamismo, esse pecado chamado Zina e eh um pecado grande mesmo (para o muculmano).

2. Se a familia dele permite o casamento nessas circunstancias, isso eh sinal que nao vao dar problema p voce, mas nao garante o lado do seu companheiro. Seu casamento pode ter liberdades, mas ter desconfiancas da parte dele.

3.Os libaneses "amigos" que falaram do rapaz de Dubai sao sempre negativos mas lembre-se que no Brasil, um pais "avancadissimo" na questao de direitos humanos, violencia domestica eh uma coisa corriqueira, seguido de violencia sexual contra criancas tbm. Quase todo mundo q eu conheci na minha infancia sofreu algum abuso sexual. Entao antes da gente falar dos outros, tem de olhar p si neh.. O meu marido, por exemplo, nao quer nem saber de Brasil por isso..

4. Por experiencia de ver muitos casos parecidos, quando o casal eh de religioes diferentes sempre tem "coisinhas" q depois podem ficar maiores com a vinda dos filhos. Leia sobre a religiao dele para estar ciente doq ele aceita ou nao.

5. Voce terah beneficios sem tamanho: muculmano nao bebe.. tbm n pode ter caso extraconjugal q dah cadeia (pela lei da Sharia, pode ateh dar pena de morte) e muculmano eh generoso com a mulher e gosta de comer bem e de ter reunioes familiares, gosta de dar presentes e roupas para deixa-la bonita, de ficar com a familia e com criancas nao ha tratamento melhor. Adoraaaaaam criancas.

6. Por ultimo, se infelizmente, voce preocupada com separacao e despesa com filhos, na pior das hipoteses, nao eh costume deles de deixar os filhos sem pensao ou educacao como acontece com nossa "avancadissima sociedade" onde precisa levar no juiz e soh faz pq eh lei.

7. Toda regra tem excecao, inclusive meus comentarios acima :)


Bravo!

11.12.07

Sheik Luís responde: "night life"

Jordi deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Aconteceu em
Dubai":

Caramba! Agora nao sei se fico no YHA, Deira ou Bur Dubai! Ou se fico 2
dias em cada! Gostaria de conhecer Dubai mas tb curtir um pouco da
nightlife! O que vc sugere Sheik?Valeu!Jordi



Postado por Jordi no blog Dubai F. C. em Segunda-feira, 10 Dezembro,
2007

Prezado Jordi,

Depois de uma longa caminhada (de ida-e-volta) até Abu Dhabi, as pernas do sheik só querem o conforto do lar e noites tranqüilas ao lado de suas 15 concumbinas.

Dá uma olhada nesta matéria da TimeOut sobre baladas daqui, talvez isso te ajude.

Particularmente, eu gosto do Barasti. Apesar de cheio, se chegar antes das 20h, entro de chinelo e bermudas e ainda tem agradáveis poltronas de frente para o mar. Depois das 20h, só pedindo ajuda para alguma menina sozinha do lado de fora (couples only...).

Este usa ROLEX


E um cirurgião plástico brasileiro ganhou destaque por aqui, saindo em uma entrevista de uma página na revista semanal TimeOut de Dubai (e você, leitor ufanista, suspira de orgulho no seu barraco desmoronado pelo terremoto!).

Não vou fazer uma lipoaspiração, mas gostei da entrevista. Ele dá um recado para os brasucas que lhe mandam e-mails pedindo emprego:


Eu recebo cerca de 300 e-mails por ano em média de cirurgiões plásticos brasileiros. (...) É um novo mercado para eles; eles pensam que as ruas aqui são pavimentadas com ouro.
(...)
É difícil saber o quão bons eles realmente são. Apenas aqueles pertencentes a sociedades internacionais é que se pode confiar (...)


Parabéns para o brasileiro que faz sucesso em Dubai. É por essas e outras que este post vai para a sessão "Dubai High Society".

É isso aí.

Minha querida aulinha de farsi

E já que o assunto é Irã, vamos a nossa tradicional aulinha de idiomas:

Básico

soh berreir - bom dia
zoh berreir - boa tarde
as berreir - boa noite (encontrando alguém)
xab bereir - boa noite (despedida)

balê - sim
na - não

Intermediário

khaleej fars - golfo pérsico (note que khaleej significa golfo em árabe também). Golfo árabe ou Golfo pérsico? O bate-boca (e perda-de-tempo) preferido entre árabes e iranianos.

Nota: kh tem um som de R raspado, como o som de uma raspada-tira-catarro da garganta.

lotfán - por favor

Merci! - obrigado

Nota: iranianos pronunciam o R como piracicabanos. Assim, onde se lê merci, pronuncie-se mãRRRci.

modar - mãe (parecido com o inglês, né?)

Avançado

daiuz - filho-da-puta (engraçado notar que esta palavra existe em turco com um significado mais brando, algo como "tolo").

modar gendar - o mesmo que mother fucker (aquele que mantém relações sexuais com a própria genitora).

to kúúneti! - sugestão ofensiva para que o outro mantenha relações sexuais anais passivas. Algo tão chulo quanto vai tomar no cu!

koskesh - vagina, pixoca, xoxota. Genitália feminina.

Tudo junto

Soh bereir, daiuz!
Khaleej FARS, na khaleej arab!
Lotfán, to kúúneti, modar gendar!


Para maiores informações:

http://www.farsinet.com/farsi/

Consulado do Irã

No site, diz: "ao lado do Iranian Hospital (...)". Iranian Hospital é por assim dizer um complexo hospitalar decorado de mosaicos de azulejo com inscrições em árabe. Ou será em farsi? O alfabeto é o mesmo, com algumas letrinhas a mais. Provavelmente, são versos do Corão. De um lado da Al Wasl Road, o Hospital. Do outro, uma mesquita feminina, interligados por uma passarela.

- Onde é o consulado?
- Mais a frente, sir!

Se fosse verão, eu estaria perdido. Ou melhor: molhado. É nessas horas que se lembra de como é bom o inverno, esse tenebroso frio de congelantes 26 graus. Brrr. No verão, não dá nem pra considerar andar um quarteirão longo desses se o objetivo é chegar ao destino final "apresentável".

Prédio bonito esse do consulado. Dentro dele, tudo em árabe (ou farsi), com algumas palavrinhas em inglês, não mais que o essencial: information, counter, visa, exit. Fotos de barbudos pelas paredes. Gente fedida cortando fila, como de praxe em Dubai.

Chega minha vez. Para eu falar com o rapaz que está do outro lado do vidro eu tenho que abaixar pra falar pelo buraquinho:

- Oi! Eu vi no site que brasileiros têm visto automático no aeroporto para 7 dias. Mas eu comprei uma passagem em uma promoção da Emirates e gostaria de saber se...

- Filled form, photo and passport, please!

- Mas eu gostari...

- You get the form in the counter.

- Tá bom. Está aqui esta merda de formulário já preenchido. Vai. Pega aí, seu grosso.

- Why are you going there?


- Turismo.

- Do you have friends in Teheran?

- Não. Mas eu conheço uma iraniana aqui em Dubai que se chama Golnaz. Que nome!

- When do you go?

- Eu vou no dia tal.

- For how long?

- Eu volto no dia ta...

- FOR HOW LOONG?

- Estúpido. (1,2,3..)... hmmm... 12 dias.

Ele folheia o passaporte e franze a testa:

- But I cannot give you a visa for more than 7 days... - ele continua folheando o passaporte - hmmm... you are resident in UAE!

- Claro, oras! Sou sheik, porra. Vamos resolver logo esta merda que já estou atrasado.

O rapaz rabisca um número em algarismos árabes e diz:

- Counter, then back here.

275 dirhams. É o preço de um tênis "de marca" (ainda bem que os sheiks usam sandálias). Volto ele ele me entrega um selinho porco escrito: "volte em 3 dias". Simples demais. Deve ter algo errado. Ele nem ficou com a cópia da passagem.

- Meu senhor, você não quer a cópia da passagem?

Do outro lado do vidro, ele me olha, rabisca "110 dirhams" em outro papel e diz:

- Counter!

Fiquei parado com meu novo troféu a minha frente. O iraniano ao lado riu e explicou: "Você tem urgência em viajar? Isto é só para o caso de você precisar com urgência do visto. Pagando isso, sai em 24h!".

Ah bom, não tenho pressa. 3 dias depois, estava lá meu passaporte com um novo papelzinho colado: "visto para 15 dias".

Resumindo

Visto para o Irã:

Para brasileiros, visto de 7 dias que pode ser comprado direto no aeroporto Iman Khomeini em Teerã.

Período superior a 7 dias: se você é residente em Dubai, vá até o Consulado Geral do Irã, na Al Wasl Road.

Preço: 275 dirhams por visto de 15 dias (sai em 3 dias). Adicionar mais 110 dirhams em caso de urgência (sai em 24h).

10.12.07

Casando em Dubai

Danniely deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Sheik Luís responde: quem é o Sheik?":


Olá Sheik Luis,
Na verdade estou escrevendo para fazer umas perguntas...
Sou brasileira e estava morando em Milão na Itália, onde conheci meu namorado de Dubai.
Estamos namorando e vamos nos casar em Dubai.
Vim agora ao Brasil falar que ia me casar aos meus pais.
Porém, eles não concordam com o casamento.
Meus pais disseram que tem amigos libaneses e os amigos libaneses disseram que se eu casar, não vou poder mais mandar em mim e não poderei mais usar roupas normais e sim me vestir dos pés a cabeça de preto!
E nunca vou poder visitar meus pais depois de casar com meu namorado de Dubai.
Isso é mesmo verdade??
Disseram aos meus pais, que até pra eu poder viajar, o meu futuro marido, vai ter que consultar Allah para ver se posso ir ou não viajar sozinha.
Isso é mesmo verdade?? Acho que isso não tem fundamento...
Falei com o meu namorado, mas ele disse que vou poder usar as roupas que estou acostumada a usar sim, nao preciso ficar toda de preto e vestida dos pés a cabeça. No entanto, minha mãe insiste que não é assim, que depois que eu casar serei propriedade do meu marido e por isso minha mãe não concorda com o casamento!
Você poderia me falar um pouco, sobre o comportamento das mulheres estrangeiras que casam com um arabe que segue o Islamismo??
E verdade mesmo que uma vez que eu case em Dubai, não vou poder sair sem autorização do marido?? Meu namorado segue o Islamismo, eu também vou ter que seguir??
Agradeço desde já.


Olá Danniely,

Primeiramente, gostaria de dizer que o sheik gosta deste tipo de pergunta.

Antes de respondê-la, saiba que o sheik colocou o seu velho óculos Ray Ban, roçou a barba e consultou o Conselho de Sábios da Montanha. O sheik sabe da responsabilidade contida em sua opinião, e para se redimir de possíveis erros de interpretação, foi e voltou de Abu Dhabi à pé e torturou um de seus muitos escravos eunucos que guarda enclausurados em caixas de água Masafi com maçã na boca e farpinhas embaixo das unhas.

Deixemos os escravos eunucos em suas devidas caixas e vamos ao ponto. Trocando Milão por Dubai? Aqui há pra vender umas camisetas que são motivos de piadas maldosas entre expatriados. Na camiseta está escrito algo assim:

New York - London - Paris - Milan - Tokyo - DUBAI.

Oh, oh, oh, oh, oh! Oh-oh. Não entendeu? Maldade de expatriados, talvez você nunca entenda. Mal não há problema, eu já me redimi: já fui à Abu Dhabi à pé e voltei e já torturei meus empregados assalariados (sim! E porque escravo não pode ser profissão? Oras...).

Já estou me distraindo mais uma vez. Atenhamo-nos a suas dúvidas cruéis, aos temores de sua família (para isso, ajeito meu óculos BL marron dégradé).

Isso é mesmo verdade??

Você já reparou como tudo gira em torno de uma verdade? "A verdade sobre as mulheres sofredoras de Dubai". Sua mãe retruca: "Cuidado, filha! O Sheik Luís falô que os árabes são bigodudos e gostam de móveis rococó!", "O amigo libanês falô que os árabes são todo malvados! (?! Que despropósito)", "O Bush falô que todo árabe é terrorista e participa do eixo do mal!". Que perigo!

A resposta do sheik talvez seja um pouco frustrante: talvez não exista uma verdade única salvadora (talvez ninguém se salve). A verdade sobre seu relacionamento é aquela que só você e seu companheiro vivem, e se este já atingiu um grau de intimidade, confiança e maturidade tal que já planejam um casamento, é porque já sabem de muito mais coisas um do outro que qualquer outra pessoa (inclusive este sheik alcoviteiro).

Palpite? Você conheceu o rapaz em Milão, certo? Isso indica que ele já viu muitas verdades por aí. Ao menos em Milão, ele leva um modo de vida próximo do seu.

O sheik já viu e ouviu muitas histórias: um local que casou com uma libanesa e teve uma filha que é atéia, toca violão, faz mergulho e não anda de preto. A outra filha já gosta de andar de abaya e anéis de brilhante com as amigas. Uma alemã que casou com um emirati, dividem o tempo entre Alemanha e Dubai e tiveram um filho que virou surfista (tente imaginar um "alemão-árabe-surfista"). Uma francesa que visitou o UAE, se apaixonou por um local e teve um filho, que se tornou guia de safari nas dunas e se casou com uma filipina. Uma francesa que se casou com um libanês, teve uma filha e depois separou porque cansou da ciumeira. Mas ainda está por Dubai, curtindo a praia. Uma brasileira que casou com um árabe do golfo e se cobre inteira. Uma portuguesa que se apaixonou em Dubai por um paquistanês. Ambos agora juntaram os trapinhos e estão morando na... Suíça. Um sírio em Abu Dhabi que bateu até a morte em uma de suas esposas porque "estava com poucas roupas na sacada". Depois foi condenado a um ano de cadeia mais deportação.

Viu? Não há muita regra. Tá bom, não se guie pela última história, fui muito cruel. Casamento é fusão, mistura de culturas. Vocês dois vão ter que encontrar o meio-termo que agrade a ambos e, com sorte, a ambas as famílias. Lembre-se que alguém só te forçará a alguma coisa se você aceitar. Faça um exame de consciência e seja honesta com você mesma: deixe claro o que você aceita mudar e aquilo que não aceita. Da mesma maneira, você precisará aceitar os hábitos e cultura de seu marido (como cumprimentar outros homens com um toquinho de nariz. Que meigo!).

Está na dúvida? Então por que essa pressa em casar? Venha a Dubai, tome um drink no 360, um chá da tarde sentada no tapete ao lado da sogra. Curta um Ramadã em família por aqui. Leve o rapaz ao Brasil durante o Carnaval. Se o relacionamento passar incólume, tanto melhor.

É isso, caríssima Danniely. Espero que estas palavras te ajudem de alguma forma. Meia-noite por aqui, já chegou a hora do sheik tirar os óculos, trocar de pijama e fazer naninha.

UUUaaai. Abraço de sheik!

Carta ao estranho íntimo

Mais um ano.

Tenho pensado ultimamente sobre a passagem do tempo: lembranças de um referencial qualquer congelado no tempo, saudades de pessoas e locais que não existem mais como eram porque tudo muda. Vem-me ao acaso a memória de uma família de amigos descentes de japoneses no Brasil: meu amigo aprendeu japonês com o pai, e quando foi para o Japão, todos riam dele, porque falava um japonês antigo, e guardava costumes que ninguém mais lembrava ou achava importante... o Japão de seus pais e avós já não existia mais.

Tudo muda? Voltei ao Brasil, na Avenida Paulista tinha dois ou três prédios novos. Reencontrei um cara legal: Todomundo. Supresa: Todomundo estava igual, só um pouco mais velho e com uma mania de lembrar de fatos dos quais não participei. O Brasil parece o mesmo.

Tudo muda: na esquina depois do MASP, a senhora louca de guarda-chuvas não estava mais lá.

Na volta à Dubai passei por Milão. Em frente à estação de trem, passou um furgão de floricultura. Advinha o nome... assim como hoje, pensei em alguém que provavelmente não é mais você (assim espero, pois a princípio, toda mudança acrescenta algo de bom). Espero que esteja tudo bem, que esteja feliz e em paz.

Abraço,

.

Estranho íntimo

Estranho: sabe-se muito pouco de sua vida, de seu passado, de seu dia-a-dia. Íntimo: mesmo em tão pouco tempo, nunca antes conhecera alguém tão bem na intimidade, tão amigo, tão si mesmo.

O estranho íntimo nunca é, sempre está: constante mutação de forma, figura, personalidade, sorriso, lugar. Busca contínua. Dele não se foge: está inevitavelmente em todo lugar, em toda conversa, em tudo o que se vê. Entidade que vaga no éter e vez em quando pousa por aí, incorpora-se em algo que se torna tão caro... e por isso, tão estranho.

Conversas ao telefone. Conversas por e-mail. Conversas. Monólogos do quotidiano. Perguntas? Respostas fugazes, previsíveis, uma outra pergunta. Compreensão? E por isso, tão íntimo. Intimidade que se imagina ter. Será?

Ah, estranho íntimo... alguém que não existe, projeção de um ideal de felicidade, sempre inalcançável: porque nenhum ideal é 100% realizável. Porque nunca ninguém é sempre 100% feliz.

5.12.07

Aconteceu em Dubai

Antes de dormir, duas notícias notórias do dia aqui em Dubai:

- DJ é preso com porte de drogas e... CDs pornôs.

E o que acontece com quem chega aqui com drogas? O mesmo que aconteceu com o canadense desta notícia: pena de 4 anos de cadeia. Sem choro, nem vela.

Em verdade, usar drogas e dirigir bêbado são as maneiras mais fáceis e baratas de se fazer sexo em Dubai (anal, na cadeia).

Sem drogas.
Sem dança.
Sem CDs pornôs.
Sem solteiros.

É assim no paraíso dos endinheirados: uma luta contínua pela preservacão da Moral e dos Bons Costumes.

(Poxa... mas nem um pornozinho...)

Le Méridien

10 da noite.

- Excuse-me, sirrrr. Vat you're doing herrrre, sirrrr?
- Oh, sorry. I just came to check if my kayak is still here... I was in the race this weekend... is there any problem if I come tomorrow morning to pick it up?

- Nôu?!

- ... nôu?!?!
- Yes: Nôu?!

Nuíntendí. Se o caiaque é meu, como não?! O sangue sobe, várias palavrinhas bonitas escorregam pela boca. Mas ... deve haver algum engano. Que estória é essa de "sim, não?!". Vamos com calma:

- Excuse-me but.. emm.... why not??
- Not?! What not?! - cara de espanto.
- Not, what? You said NÔU. - já estou perdendo a paciência.
- Noooooo, sirrrrrr! Not not! Nôôôôôu! ... du iu vant it... NÔU??

Porra. (Tem horas que não dá, escapa (note que o comentário aí atrás foi quase um cochicho, entre parênteses)) Porra (ups, escapou de novo):

- Not nôu. Tumórrrrôu móóórrrrning!
- Ok, sirrrrrrrrr! No prrrrrrrrroblem! No prrrrrrrroblem....

3.12.07

R.O.L.E.X.



Dubai, a terra dos endinheirados. Segundo alguns, "um lugar onde se pode usar artigos de luxo sem medo de ser roubado". Pois! Quem é que não tem um ROLEX? Só pobre que não tem.

Aliás, tem que ser muito pobre: desde que as grandes fabricantes de relógios de luxo expandiram seus negócios para China e Índia, nunca foi tão barato ter um ROLEX. E não só: Mont Blanc? Patek Philippe? Breitling? Em Dubai, custa 120 dirhams, sirrrr!

Ah, as benesses da globalização: não reclamem, pobres leitores, dos empregos perdidos por causa do temido neoliberalismo, essa coisa do capeta. Ela permite que você economize nos tickets-restaurantes para poder, ao final do mês, comprar um relogião bonito para impressionar a namorada. Ela olha e diz: "Hummm, ROLEX. Ele deve ser importante! Deve sair na TV!".

Pessoalmente, fico impressionado pelo modelo de negócio implantado na Ásia pelos nobres fabricantes de relógios europeus: uma parceria com os chineses - capitalismo? Lave a sua boca com sabão, leitor imundo! Socialismo com características chinesas - e pronto! Várias fábricas espalhadas pela China, competindo entre si pela produção de motores de tic-tac. A solução definitiva para o desemprego infantil na China! Mas a maior inovação mesmo foi o aproveitamento da rede mundial de computadores em seus negócios. Um destes modelos informava o local de fabricação: "MADE IN INTERNET" (E o pipoqueiro chora de alegria).

Fruto desta grande competição entre fábricas maoístas de motores de relógio, sobraram hoje apenas dois grandes jardins de infância concorrentes: a dos motores à pilha e a dos motores à corda (incrível! É só chacoalhar e funciona!). Estes jardins de infância resolveram o problema da crise no setor calçadista chinês (depois que o Brasil, país pujante, país do futuro, fez um PACto pelo crescimento e começou a exportar calçados, muitas crianças perderam, além dos dedinhos, o empreguinho nas fábricas de tênis Mike e "Double Sport". Agora, com petróleo então? Ninguém segura esse Brasilzão, esse "país que dá certo"): estes jardins de infância disputam a tapa as crianças com menos dedinhos, capazes de manipular pecinhas cada vez menores. Apresentam para isso, salários cada vez mais atraentes: além do tradicional salário-pirulito, oferecem competitivos prêmios como o pastel de pombo e a sopa de cachorro. Honra ao mérito!

Perfeito: onde há competição, há bom preço. E as fabricantes européias aproveitam! Aplicaram o mesmo princípio na distribuição de seus produtos, em uma grande parceria com os indianos: é tecnologia européia fabricada na China e na Internet e exportada por indianos para Dubai e para o mundo! Mais uma vez, grande concorrência: os indianos em Karama se digladiam para vender os mesmos relógios, fabricados pelas mesmas mãozinhas. E o indiano tenta justificar para o Fidalgo da Corte a diferença de preço entre um Patek Philippe e o modelo ao lado: "mas veja bem, sir: este não é qualquer relógio... este aqui é um Mont Blanc!". O Fidalgo da Corte não se contém: "Fuoooodasssi"...

2.12.07

Salários x custo-de-vida em Dubai

Sigo ainda respondendo às questões da Raquel.

Salário-base? Não há. Terra de rico? Tenho minhas dúvidas. Explico:

Custo de vida

Já começo "quebrando as perninhas do leitor", falando de aluguel. Aluguel em locais razoáveis para alguém de classe média custa entre 4.000 - 8.000 dirhams/mês para solteiros e entre 8.000 - 15.000 dirhams/mês para famílias. É muito caro, na maioria das vezes os locatários exigem pagamento em dois cheques anuais e os preços continuam subindo. Um absurdo.

Aluguel ou prestação de veículo, na faixa de 1.500 - 2.000 dirhams/mês. Sim, é difícil a vida sem carro aqui: ou você gasta uma fortuna em táxi ou você faz seu sexo anal passivo matinal em ônibus públicos. Você vai precisar de 3 meses para tirar sua habilitação e vai gastar pelo menos 2.000 dirhams para tal. Outra solução é comprar um carro usado com pagamento à vista (carros desvalorizam muito aqui). Sem carro, a vida aqui é um inferno, especialmente no verão. E olha que eu faço bastante coisa aqui de bicicleta!

Se o seu salário ou sua empresa não cobrem as despesas acima, você será um sub-cidadão em Dubai.

Faixas salariais

Segue um breve resumo das faixas salariais da cidade, veja onde você se encaixa:

1) a base: trabalhadores braçais e de baixa ou nenhuma qualificação. Pessoal da limpeza, segurança, construção civil. Salários de até 1.000 dirhams/mês e jornadas de 12h/dia, 7 dias por semana. A grande maioria, homens indianos, paquistaneses, nepaleses que vivem em condição semi-escrava vivendo em labour camps longe das áreas bonitas da cidade. Não aconselho a ninguém vir pra cá nestas condições;

2) classe-média baixa: aqui se incluem taxistas indianos, paquistaneses, iemenitas, egípcios, trabalhadores filipinos e alguns brasileiros que estão em bares, hotéis e restaurantes, indianos atendentes de call center. Salários mais benefícios variando de 1.000 - 4.000 dirhams. Levam uma vida mais feliz do que os da base da pirâmide, vivem em melhores acomodações pagas pela empresa, vão de micro-ônibus da empresa ao trabalho. E com sorte, têm um dia de folga na semana. Se você é do tipo aventureiro e quer ficar aqui por alguns meses, talvez eu te recomende vir nestas condições. Mas não espere guardar dinheiro!

3) classe-média média: aqui se encaixam a maior parte dos ocidentais, árabes e europeus com mais qualificação profissional. Muita gente trabalha com salários variáveis na área de vendas. As áreas em que há mais indianos qualificados possuem os salários mais baixos. Podemos dizer que esta é uma regra geral. Ganham salários + benefícios entre 5.000 - 20.000 dirhams. Atenção, amiguinho! Veja se o seu salário é suficiente para pagar o aluguel!;

4) classe-média "alta": aqueles com muitos anos de experiência, cargos de gerência, donos de pequenas empresas, etc. Salários mais benefícios entre 20.000 - 40.000 dirhams;

5) locais: ganham o dobro de um estrangeiro na mesma função e possuem uma série de benefícios do governo;

6) classe alta: diretores de empresas, empresários, máfia russa, celebridades;

7) familiares dos sheiks;

É isso. Tudo depende do que você procura como experiência de vida. Não vou citar como conseguir um emprego aqui, isso já foi dito em inúmeros posts anteriores. Dá uma olhadinha na sessão empregos e boa sorte!

Abraço de sheik,

Luís

Sheik Luís responde mais uma vez

raquel deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Notícias que vêm do Brasil":

Oi Luis,

Sou brasileira e vivo atualmente na Ilha de Mallorca, Espanha. Minha mae me ligou esta manha e disse que viu em canais diferentes da televisao brasileira, reportagens sobre Dubai, turismo, empregos e inclusive a entrevista com uma brasileira que trabalha em um dos hoteis de luxo.
Tenho alguams perguntas para voce:
Em primeiro lugar gostaria de saber se é dificil para um brasileiro normal, trabalhador, alegre e cheio de carater, conseguir fazer uma vida boa em Dubai.
Segundo, uma pessoa como eu, com um bom curriculum, com 4 idiomas e experiencia em varios setores, poderia encontrar um trabalho decente, sem ser secretaria, ou recepcionista, etc.
Terceiro, qual o salario base em Dubai e como é o custo de vida, ja que se trata de uma cidade de ricos.

Se puder enviar sua resposta/ajuda para meu email, ficarei muito grata.

Abraço

Raquel


Olá Raquel,

Eu estou aqui me perguntando por que razão você quer vir pra Dubai. Dá sim para brasileiros normais (se é que isso existe) levar uma boa vida, mas custa (em dinheiro e paciência). Dubai não é um lugar tão "civilizado" comparando-se com parâmetros europeus.

Penso que podemos considerar alguns conquistas de algumas sociedades como avanços na história da humanidade:

- comportamento médio da população em locais públicos: aqui é um lugar onde por exemplo, ninguém respeita filas. A maior parte das pessoas corta filas descaradamente e te encoxam sem pudores no elevador, no supermercado, no ônibus, etc (sendo homem ou mulher, não importa);

- respeito às diferenças: você está em um local onde provavelmente, não é proibido dançar em bares e discotecas. Onde você não corre o risco de ser presa ou expulsa de uma discoteca por trocar beijos e carícias em público. Onde o topless é algo normal. Onde a internet não é censurada. Onde o Estado não se preocupa com questões que concernem única e exclusivamente a você;

- emancipação da mulher: Você está em um lugar onde a mulher alcançou um nível de emancipação invejável. Aqui você pode sim levar uma vida independente, morar sozinha e tudo mais, mas não é tudo tão de mão beijada como aí. Aqui você precisa aprender a se impor, a ser um pouco homem.

É claro que Dubai tem coisas boas, mas nos pontos acima, ainda engatinha. Você está um lugar onde você já tem tudo isso garantido, então estes pontos vão te incomodar deveras no início. Leve isso em consideração.

1.12.07

Trazidos pelo Shamaal

E não foi apenas ondas do mar que o shamál trouxe. Na última semana, aparentemente como conseqüência das reportagens sobre Dubai na TV brasileira, este blog recebeu uma onda de acessos.

Com uma média entre 70 a 80 acessos diários, no dia 26/11 saltou para 137, no dia 27/11 para 155, no dia 28/11 foram 324. Nada comparável ao dia 29/11: 964 acessos. Dia 30/11, algo mais modesto, a descida da onda: 455.



As estatísticas de acesso (obrigado, Google Analytics!) mostram que 75% dos acessos foram provenientes do Google. Mais de 40% das visitas foram direcionadas a posts relacionados a empregos. Média de duas páginas vistas por visitantes.

Resolvi fazer um teste para tentar entender este movimento: fiz uma pesquisa simples no Google. Duas palavrinhas: "empregos dubai". Voilà: o blog aparece em quarto da lista. Um link para um post de setembro, justamente um post que contém links para 8 sites onde é possível pesquisar empregos em Dubai.

Ainda assim, a maior parte dos 43 comentários são justamente pessoas perguntando "qual o primeiro passo para se obter um emprego" aqui. Oras...

Conclusões:

1) uma onda de pessoas que chegou até aqui, leu dois posts, deixou uma mensagem pedindo emprego ou perguntando "como é a vida em Dubai" e foi embora. Não leu o extenso material já publicado. Talvez não tenha lido o próprio post direito. Como uma onda de gafanhotos que vem, destrói a lavoura, e vai embora;

2) o leitor realmente quer trabalhar em Dubai. Não importa como. Depois não diga que não avisei...

Pensei em montar uma agência de empregos. Mas talvez eu seja muito honesto para isso... ou apenas, só um pouco pessimista.

Shamaal


E por falar em shamaal, finalmente passou a competição.

Desde o começo da semana, quando o vento shamaal (norte) começou a bater, nem dormia direito. 20 nós no domingo, 25 na segunda. Ondas de 1,76 m. Tentei sair com o caiaque, o mar me jogou de volta pra praia. Mas o Pete, o sul-africano macaco-velho de competições que mora por aqui, insistia: "Hey broo! If you don't go, I will give you pink pants!" (Hei, cara! Se você não for, vou te dar umas calças rosas!).

A trajeto estava definido assim:

- 5 km de aquecimento do Le Meridien até a ponte lateral esquerda da Palm Jumeirah;
- 8 km mar adentro, contra as ondas (um checkpoint a 300m, outro 1 km à frente);
- 12 km de volta, surfando as ondas, até o Le Meridien;

Decidi então participar da brincadeira: participo do aquecimento e, dependendo das condições do mar, sigo em frente, pensei.


E a sexta-feira chegou: 120 caiaques (surf-skis) alinhados na praia do Le Meridien. Todos os big boys ali: um norte-americano campeão olímpico de remo na década de 90 e atualmente fabricante de um dos melhores caiaques que há, outro campeão sul-africano, o campeão do Shamaal do ano passado.

A ausência de ventos durante a manhã me deixou otimista. A competição começa: segui durante o aquecimento remando junto com uma americana (estadunidense, para os rigorosos. Afinal, somos todos americanos). Boa companhia. Na chegada à ponte, antes da largada, um dos botes salva-vidas se aproxima e o rapaz avisa: "Nós temos um compromisso em salvar vidas, caiaques não. Se vocês forem resgatados, abandonem o caiaque!".

Por que razão o organizador diria isso? Receio. Ele saber de algo que não sabemos. E é dada a largada. Logo veio a resposta: embora da praia não parecesse, o vento shamaal estava batendo forte em alto-mar. Quando passei da ponte, percebi que minhas pretensões de chegar ao primeiro checkpoint a apenas 300 metros já eram bastante ambiciosas: a primeira coisa que vejo é o barco de resgate rampar na primeira onda e desaparecer atrás dela. Em seguida, é a vez dos caiaques que vinham atrás subirem e desaparecerem atrás da onda. Quando apareceram novamente no alto da próxima onda, um terço dos participantes tinha caído no mar, um congestionamento de caiaques e náufragos.

Vento forte, correnteza, uma onda, duas ondas, três ondas. A americana desviou pela direita perto das pedras e seguiu em frente. E eu ali achando tudo aquilo uma grande estupidez.

Mas eu nunca esqueço das palavras de papai: "Filho, seja sempre o primeiro!". No vestibular da Unicamp, fui o primeiro (da lista de espera). Foi nesse momento que fiz a manobra mais arrojada que já fiz com meu caiaque: meia-volta. Manobra radical: a onda me puxa e quase beijo o pilar da ponte. Orgulho do papai: novamente fui o primeiro, o primeiro a desistir.

Foi uma decisão sensata. Alguns minutos depois, o mar devolve mais 4 competidores ao ponto inicial: vieram rolando com seus caiaques duplos na onda. Quinze minutos mais tarde, chega uma garota: "Eu nunca mais quero passar por isso na minha vida!", disse ela. É, cair do caiaque com mar agitado não é uma sensação agradável.

Mas a competição teve outros fatos insólitos: duas garotas aparecem no barco salva-vidas.

- Cadê os seus caiaques?
- Era um duplo. Quebrou no meio...

Um outro competidor brigava com as ondas quando viu um barco de pescadores vindo em alta velocidade em sua direção. Acenou com o remo, não adiantou. Só deu tempo de pular no mar e se proteger: o barco passou por cima dele e de seu caiaque, batendo em sua cabeça. Depois reduziu, pediu desculpas e seguiu em frente. Mais um remador fora da prova e com o caiaque inutilizado.


Ao todo, em torno de 60 competidores desistiram. Isso só aumenta o mérito dos que chegaram ao final. Na confraternização ao final da prova, o organizador estava feliz por ter podido mostrar o poder do shamaal, e orgulhoso por mostrar Dubai com ondas, algo não muito comum por aqui. O francês ao meu lado disse baixinho: "Lá na França, uma competição nem começa se houver ondas menores do que essas". Pois é. Essa prova não era para principiantes.

O meu troféu é a garrafinha de cerveja com marca de caiaque. "Product of the ocean". É isso aí.

Ondas em Dubai também é Rock'n'Roll, e rock'n'roll é Dubai Futebol Clube.

Pra que lado eu vou?

Leste - xarq
Oeste - garb
Sul - djanuwb
Norte - shamál

em frente - sidá
direita - iamín
esquerda - iassar (ou shamál)

Curiosa esta confluência de significado entre esquerda e norte. Se todos estiverem olhando para leste, faz sentido.

É proibido dançar

Então você, brasileiro, inglês "the book is on the table", que não perde uma feijoada com pagode na casa do Jojó, quer vir para Dubai, hein? Porque Dubai é legal, é a terra dos endinheirados, não é?

Sim, leitor, estou falando com você, que não sabe mais do que o refrão do hino nacional (aux aaaaaarmes citoyens!) mas jamais esqueceria a letra do Pagode da Madalena ("Madalena, Madaleeeena, vooooocê é meu bem querer...."). Então me diga o que você, forrozeiro, sambista, micaretista (especializado em qualquer dança onde haja mulheres) acha dessa aqui:




O que, leitor? Seu inglês é um "cocô" e você não entendeu? Tá bom, tá bom. Ele diz algo mais ou menos assim:


NOTA

Caro hóspede,

Por favor esteja ciente de que devido às novas regras do

DEPARTAMENTO DE MARKETING PARA O TURISMO E COMÉRCIO DE DUBAI

NENHUMA DANÇA É PERMITIDA EM BARES EM ÁREAS ABERTAS E CLUBES NOTURNOS
Em respeito a isto, pedimos sua gentil colaboração e compreensão.

Perdão pelo inconveniente.



Não estamos falando de Arábia Saudita, não estamos falando de proibição a cigarros. Estamos falando de proibição ao ato de dançar em Dubai. Isso mesmo! Dubai, a terra dos endinheirados!

Que me desculpem os fumantes: fumaça de cigarro em locais fechados não apenas incomoda, mas prejudica a saúde de terceiros, fumantes ou não, presentes no recinto. Proibir, assim, o seu consumo em locais fechados é algo razoável, justificável como um problema de saúde pública, tal qual a licença de trabalho a portadores de doença altamente contagiosa como pneumonia, tuberculose.

Mas é compreensível: dança é algo contagioso. Você vê, e quer aprender a dançar. Dança é algo perigoso. Dançando, o já temível e execrável bicho "solteiro" (que por si só, já pratica o crime de "existir") corre o sério risco de cometer outro crime: sentir-se atraído pela companheira de dança. Pensando bem, algo perfeitamente plausível esta proibição.

É isso aí, leitor. Você se adaptaria? Isso também é Dubai. Dubai Futebol Clube.

29.11.07

djaml x djamal

Djaml (para egípcios, "Gaml") - camelo:

جمل

Djamal (para egípcios, "Gamal") - beleza:

جمال

Isso corrige posts anteriores, onde menciono camelo como "Jamal". Em todo caso, correto mesmo, só em árabe.

É isso aí.

Sem inglês e sem diploma = escravidão

alanse deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Procurando emprego em Dubai":

Ola Luis, meu nome e Alan vargas tolentino

Gostaria muito de ir trabalhar em Dubai, você por gentileza poderia me dar umas dicas! Eu trabalhei como fiscal de loja durante um ano,
Só que, falo muito pouco o inglês Por favor, me diga se haveria uma chance para eu trabalhar ai em dubai eu sou daqui de Sergipe como eu faço pra entra em contato, Obrigado pela atenção.


Alan,

Meu conselho sincero: sem inglês e sem qualificação profissional (um diploma universitário), fica MUITO complicado vir pra Dubai.

Com todos os problemas que o Brasil tem, sem inglês e sem qualificação profissional, você tem muito mais chances de prosperar ficando no Brasil do que vindo pra Dubai.

Dubai não é o lugar para se "tentar a sorte" ou "aprender inglês". Por várias razões:

1 - Dificuldade de obtenção de visto. Ou você vem com um visto de trabalho, ou com um visto de visita, que se consegue de três formas:

1.a - reservando um hotel 4 ou mais estrelas (o hotel tratará de todo o processo para você);
1.b - alguém aqui banca o visto de visita pra você (obviamente o sheik não faz isso pra ninguém);
1.c - entrar com um pedido de visto na Embaixada dos Emirados Árabes em Brasília;

2 - Custo do "investimento". Para "tentar a sorte" por aqui pressupõe-se que você esteja disposto queimar uma boa reserva financeira (R$ 10 mil). Vamos aos custos desta aventura:

2.a. vôo: um vôo para Dubai custa pelo menos 3 mil reais;
2.b. acomodação: você não encontrará acomodações plausíveis por menos de 500 dólares/mês. Mas para isso, você sem falar inglês, você não conseguirá nem negociar um quarto;

3 - Barreira linguística: o inglês daqui não é um inglês fácil. Mesmo aqueles cujo língua materna é o inglês, enfrentam problemas por aqui, simplesmente porque os sotaques indiano, paquistanês e árabe são quase outra língua;

4 - Baixos salários. Se você não tem diploma universitário, o seu salário aqui será mais baixo que no Brasil. Isso porque existem centenas de milhares de indianos, paquistaneses, nepaleses e filipinos que aceitam ganhar salários de menos entre 500 e 2.000 dirhams/mês (250 - 1000 reais/mês). No país deles isso compensa, porque o custo de vida na Índia, Paquistão, Nepal e Filipinas é 10x menos do que no UAE. Indianos costumam morar em 10 em um quarto, penso que isso não vale a pena.

Taxistas ganham em torno de 1500 dirhams (R$ 750) por mês.
Seguranças trabalham 12h por dia 7 dias por semana e ganham em torno de 1200 dirhams (R$ 600).
Funcionários da construção civil ganham em torno de 600 dirhams (R$ 300).
Você considera isso razoável?

Um salário de R$ 1.000 no Brasil é até considerado um salário bom, mas aqui não. Com esse salário, você não vai conseguir pagar uma acomodação razoável, vai morar (muito) longe do trabalho, vai levar uma vida de semi-escravo e vai guardar menos dinheiro do que no Brasil (se guardar).

5 - Solidão S/A. Aqui é MUITO diferente do Brasil e os brasileiros que chegam aqui sentem o baque: não há arroz e feijão, não há mulheres bonitas de bumbum grande rebolando na praia. Aqui, as pessoas acham que o Maradona é brasileiro e que o Brasil fica "nos Estados Unidos". No verão faz 50 graus. Se você entrar em uma roubada no Brasil, você terá o suporte de sua família, de seus amigos. Se você entrar em uma roubada aqui, você estará sozinho, sem amigos e em um país onde poucos te entendem. É depressão na certa;

Um conselho ponta-firme do sheik: estude inglês e depois se candidate a uma vaga em alguns dos hotéis da cidade. Todas as grandes redes hoteleiras estão em Dubai e possuem sites na internet. Pesquise os posts anteriores e a própria rede e você os encontrará.

O salário para vagas sem qualificação nos hotéis é baixo, mas ao menos eles oferecem acomodação, com sorte, pagarão seu vôo de ida e volta. Você não guardará dinheiro, mas será um escravo mais feliz. Mas ainda acho que o Brasil é muito melhor...


Abraço de sheik!

Luís

28.11.07

Dear prudence

Como é difícil lidar com os próprios medos, controlá-los e não deixá-los crescerem e se tornarem uma incontrolável e perigosa crise de pânico. O ser humano em pânico é imprevisível.

video

Isso foi ontem de manhã. Vento de 20 knots, ondas de 1,76m. Intimida... e a competição é depois de amanhã. Alguns dizem que o vento só acaba no sábado, outros que o vento já acalma amanhã. Um passo de cada vez. Vamos ver no que dá.

Cavalos = Nad al Chiba

Rebeca Vieira Forti deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Diretivas para "Sheik Luís responde" e "Empregos"":

Boa tarde Sheik!
Sou brasileira, acabei de me formar em Direito aqui em Sao Paulo, sou apaixonada por cavalos e monto a muitos anos em competicoes. Vi uma reportagem sobre Dubai, a qual dizia estarem precisando de pessoas que saibam lidar com cavalos e que gostem muito. Me interessei pois gostaria demais de poder trabalhar com o que realmente gosto. Mas nao encontrei nada na internet , nem no jornal que vi a reportagem (Estado de Sao Paulo). Sera que vc tem como saber se ha algum site, ou hotel, ou, como eu poderia obter essas informacoes para me candidatar a lidar com esse tipo de emprego?
Agradeco superrr!
Bjos
Rebeca


Olá Rebeca,

Essa é fácil. Tente estes links aqui:

- Dubai Racing Club
- Emirates Racing Authority

As corridas em Dubai ocorrem no circuito de Nad Al Chiba (ou Nad Al Sheeba, não importa, o correto só em árabe), que está sendo ampliado à revelia do Nad Al Sheeba Golf Course, que simplesmente ficou sabendo que iria deixar de existir após o anúncio das obras pelo sheik no ano passado após a Dubai World Cup, sem serem consultados. Simpático, né? Mas afinal, é golf, então tudo bem.

Há uns 8 meses atrás encontrei um jóquei profissional brasileiro que trabalha por aqui, segundo ele, "para o sheik" (há muitos sheiks por aqui, além de mim). Infelizmente não tenho o contato dele.

As corridas mais famosas são a "Dubai International Racing Carnival", que ocorre durante o Carnaval, e a "Dubai World Cup" (29 de março de 2008), evento até já tradicional, onde todo mundo vai vestido "de gala": mulheres de chapéu, homens de fraque. Dê uma conferida no site do Dubai Racing Club e você encontrará mais informações.

É isso aí, agora é só destrinchar os dois sites. Eles devem conter toda a informação que você procura. Boa sorte!

Abraço de sheik,

Luís

Diretivas para "Sheik Luís responde" e "Empregos"

Cada vez mais chegam mais e mais perguntas pelos comentários. Cada vez mais, torna-se inviável respondê-las uma a uma. É uma pena. Seguem assim algumas diretivas que guiarão futuras respostas:

1) Seja específico.

Ao fazer uma pergunta, imagine como você a responderia para alguém que quisesse saber mais sobre a cidade onde você mora. Perguntas genéricas do tipo "Como é a vida em Dubai?" não serão respondidas. Para estas, a resposta já está no próprio conteúdo aqui publicado e em muitas outras fontes na internet.

2) Repetição de temas.

Antes de fazer uma pergunta, pesquise no histórico se alguma pergunta semelhante já foi respondida. O Sheik é uma alteza muito ocupada e não trocará o nheco-nheco com suas 15 concumbinas por responder perguntas repetidas.

3) O Sheik não é um agente de empregos.

O sheik gosta de responder perguntas de empregos, mas lembre-se: este NÃO É um site de empregos. O Sheik fala ATÉ de empregos em Dubai. A missão do sheik é evitar que as pessoas entrem em roubadas, achando que virão para cá para "ganhar milhões e comprar um ROLEX" varrendo o chão. Não irão.

Perguntas do tipo "Sheik, me dá um emprego em qualquer área, estou esperando uma oferta no meu e-mail" não serão respondidas.

O sheik, apesar de vegetariano, tenta ensinar a pescar (e com isso, aprender um pouco), mas jamais dá o peixe, já pescado e temperado, corre atrás de empresas ou intermedia contratos para ninguém, por uma simples falta de vocação. Para isso, existem as empresas de RH e os pescadores.

4) Capriche.

O sheik faz um esforço para entender esta dúvida cruel que atormenta sua alma. Pode escrever em português, espanhol, inglês, francês, árabe, esperanto, java, pascal, c++, lisp: o sheik usará todos os meios disponíveis para decifrar seu enigma. Mas por favor, capriche! O sheik não fala miguxês. Exitar ou hesitar? Alcansar ou alcançar? Errar é humano (até os sheiks erram), mas se pintar a dúvida, use o dicionário. A internet já facilita muito: http://www.priberam.pt.

Lembre-se que uma vez publicada, sua dúvida estará exposta a todos os usuários da rede mundial de computadores (isso! A internet! Uhuuuh!), e todos o admirarão por seu apreço pelo idioma em que escreve. Talvez algum leitor admirado até lhe ofereça um emprego!

5) Menos é mais.

O sheik recebe todos os comentários por e-mail. Não há necessidade de postar várias vezes o mesmo comentário.

6) Não fique triste se o Sheik não responder.

Saiba que o Sheik gostaria muito de responder todas as dúvidas. O Sheik chora todas as noites e se auto-flagela com 100 chibatadas, dá cabeçadas na parede e se força a 2 sessões sexuais com cada uma de suas 15 concumbinas antes de dormir para se redimir deste pesado fardo.

O silêncio ocasional do Sheik é uma paródia da própria condição humana: nem tudo na vida tem respostas. Outras vezes, a resposta já está escancaradamente exposta para aqueles que tem olhos para ver.

Seguindo estas diretrizes básicas, em breve você verá a resposta que salvará a sua vida sendo publicada aqui neste nobre espaço enquanto todas as criancinhas choram de júbilo.

É isso aí.

Abraço de sheik!

Técnico de futebol

KELLY GOLDONI deixou um novo comentário sobre a sua postagem " ... depois":

OLÁ, BOM DIA!

SOU BRASILEIRO E COM MUITO INTERESSE EM TRABALHAR EM DUBAI.

SOU TÉCNICO DE FUTEBOL DO CLUB DE REGATAS VASCO DA GAMA, ONDE ESTOU HA 10 ANOS COMO TÉCNICO DA CATEGORIA SUB 15, SAGRANDO-SE CAMPEÃO ESTADUAL EM 2006 E ENCONTRO-ME NA FINAL PARA 2007.

POR FAVOR PODERIA ME ORIENTAR A QUEM DEVO PROCURAR, ENVIAR E MAIL COM MEU CURRICULO?!

AGUARDO SEU CONTATO POR E MAIL



Olá Marcus,

Olha só: há vários brasileiros trabalhando há anos por aqui com futebol, alguns inclusive fazendo sucesso como os jogadores do Al Wasl, mas não tenho o contato com ninguém do mundo futebolístico por aqui.

O mercado aqui é relativamente pequeno e as vagas aqui já estão muito disputadas. Pra chegar por aqui, só através do contato com um empresário influente aqui.

Você já ouviu falar no Qatar? Lá eles montaram um centro de excelência em esportes com cursos para jovens, cujo garoto-propaganda é, inclusive, o Pelé. Você trabalha em um time expressivo no Brasil e inclusive com um público semelhante ao que eles têm por lá, de repente, é uma possibilidade. Tente contactá-los diretamente pelo site:

http://www.aspire.qa/intro.htm

Abraço de sheik,

Luís

Médicos e profissionais de saúde

Muitos médicos deixando recados. E mais uma vez, vou citar os sites de empregos:

http://www.naukrigulf.com/ni/nijobsearch/farea-medical-healthcare/

Uma infinidade de oportunidades para dermatologistas, cirurgiões, clínicos gerais, paramédicos, cardiologistas, enfermeiras, técnicos em ultra-som.

Para dentistas, não vi nada até agora. Porque mesmo aqui, dentistas são um pouco mais independentes, mais profissionais liberais, trabalham em clínicas pequenas. Depois digo alguma coisa.

Eletricista industrial?

Thiago Mohamad deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Procurando emprego em Dubai":


Olá meu nome é Thiago Mohamad Abdel Jalil. Estou terminando um curso de eletricista industrial. Gostaria saber como eu faço para ir trabalhar em Dubai?


Olá Thiago,

Pelo teu nome, você fala árabe, correto? Fala inglês? Vou te dizer uma coisa: a língua é mais imprescindível que a sua qualificação. Veja, por exemplo, o rapaz que projetou a Shatha Tower era especialista em construção de jaulas, mas falava inglês.

Brincadeiras a parte, vejo duas possibilidades para você encontrar emprego aqui:

1 - a mais fácil, confortável e barata: procurar nos sites internacionais de emprego. Dá uma olhadinha no Naukri Gulf ou no Monster Gulf, por exemplo:

http://www.naukrigulf.com/ni/nijobsearch/farea-projects/

http://jobsearch.monstergulf.com/category/construction.html

Tem MUITA oferta de emprego. Você se candidata para a vaga preenchendo um questionário em inglês e anexando o seu CV (em inglês), e aí é só esperar a(s) entrevista(s) no conforto do lar. O único problema é que Dubai está agora em evidência, e a cada vaga exposta na rede, os RHs das empresas são inundados de currículos (a maioria sem pé nem cabeça). Leva tempo para o RH fazer a triagem e com sorte te encontrar. Eles vão querer contratar a pessoa mais qualificada pelo menor preço;

2 - Compre uma passagem aérea, reserve um hotel por uma semana e venha para cá para um rallye profissional: visitar todas as grandes obras de Dubai, tentar falar com outras pessoas que desempenham a sua função e tentar arrancar algumas entrevistas. Estamos falando de estar disposto a fazer um investimento de pelo menos 5 mil reais nessa brincadeira. Com isso, se você tiver sorte, já consegue furar a enorme fila de entrevistas;

Ao negociar um contrato, tenha em mente que apesar do salário "tax free" (confirmar com a empresa!), só aluguel custa ao menos 800 dólares para as condições mínimas (um quarto, um banheiro em casa compartilhada). E a previsão é de aumento de pelo menos 20% ao ano... se a empresa não te oferecer acomodação, saiba que o salário tem que pelo menos, pagar um aluguel desses. E anota aí: aceitar proposta ruim "só pra vir a Dubai" é meio caminho para uma depressão profunda. Você não vai encontrar um lugar acessível para morar perto do trabalho, vai depender de transporte público pra se locomover e só vai ver homens na sua frente (imagine-se em um garimpo). Você vai se sentir o pior dos seres humanos e ficará chorando e suando noite adentro.

Morar e trabalhar em Dubai é diferente das coisas bonitas que a TV mostra e tem que haver alguma compensação. Se Dubai é o paraíso dos endinheirados, pode ser o inferno dos trabalhadores, se a mudança não for planejada, principalmente no verão. É isso aí.

27.11.07

Por falar em ondas...

... entrou no ar um novo site de monitoramento da orla de Dubai:

http://www.dubaicoast.ae/

Fotos das praias, altura das ondas (1,27 m!!! AAAAAAAAH!), temperatura do ar e da água, velocidade do vento.

Por falar em velocidade do vento, neste momento, 10,64 m/s = 38,31 km/h = mais de 20 nós (corrijam-me se eu estiver errado).

Vento suficiente para, por exemplo, arrancar a bóia branca de 50 cm de diâmetro e alguns quilinhos atada a um barco naufragado a pouco mais de 1 km da costa e jogá-la na praia. Ai ai ai...

Ondas em Dubai

Foi só falar que não há ondas em Dubai para tudo mudar de um dia para o outro: previsão de ventos de 20 km/h amanhã. E o mar... bom, ontem tentei andar de caiaque, mas depois de 2 tentativas, desisti.

Dizem por aqui que é por conta da lua: durante a lua-cheia, há variações maiores das marés e fortes correnteza. O fim da lua-cheia traz além da correnteza ventos e por conseqüência ondas grandes.

Se esta relação está correta eu não sei, mas se o mar estiver assim na sexta... bom, mesmo com colete salva-vidas, vou ter que deixar a competição para "um momento mais oportuno".

Siglas

SPOC - Single Point Of Contact

Exemplo: From now on, I'm the SPOC of our team for the project D.U.N.H.A.

25.11.07

Notícias de hoje

1) Saiu no rádio: o sheik concedeu um aumento de 70% aos servidores públicos. Isso mesmo: 70%. Os sheiks são assim: misericordiosos e benevolentes. Aumenta os salários e vê o dinheirinho retornando sob a forma de aluguéis. Coitado que não participou da festa: vai ter que suportar com o mesmo salário o aumento dos preços que certamente virá de carona nessa enxurrada de dinheiro na praça;

2) Mas até a Etisalat não ficou muito atrás: concedeu aumento de 25% a todos os seus trabalhadores;

Fazia tempo que não via números tão vultosos. Mas também fazia tempo que não via preços como o de aluguéis subirem tão agressivamente. Isso me lembra os "gatilhos salariais" do governo Sarney.

Antes de continuar com as notícias, é bom esclarecer algo também: o dirham tem um câmbio fixo ao dólar (US$ 1 = 3,67 DH). Somente por conta da desvalorização da moeda americana, o dirham perdeu 15% de seu poder de compra no último ano, com efeito direto nos preços no UAE (leia-se inflação). Analistas agora dizem (ou especulam, tentando forjar uma verdade?) que o fim do câmbio fixo está próximo e sugerem que o melhor seria primeiramente uma brusca valorização da moeda seguida de uma mudança no sistema de pagamentos do país para utilização de uma cesta de moedas. Entendeu? Obviamente, eu não reclamaria.

É claro que outros fatores colaboram com a alta nos preços: a consistente imigração também tem sua parcela de culpa, principalmente nos preços de acomodação em Dubai. Segundo reportagem do GulfNews, chegam anualmente à cidade aproximadamente 300 mil pessoas (crescimento populacional acima de 20%) e a previsão para os aluguéis é de alta pelos próximos 2 anos... segura o tchan, moçadinha! Estamos falando de uma previsão de aumento nos aluguéis superior a 20%.

Mas pára de chorar, leitor. Dia 1 de dezembro tem concerto da gost... da bonita moçoila libanesa rainha dos baixinhos do mundo árabe: Nancy Ajram. Vai ser no Aviation Club. E a maior dúvida dos fãs é: será que ela vai cantar de calça jeans? O negócio é fantasiar-se de baixinho e conferir ali pertinho do palco. Mas nada de fotos, hein?

Árabe fede?

Maria perguntou:


uma outra coisinha : eles fedem mesmo?? Como são os hábitos de banho dos árabes? e as mulheres fedem ?


Olha Maria, justiça seja feita: emiratis - homens e mulheres - são maníacos por limpeza. Os homens prezam pela candora branquinha e bem passada. Lavam seus veículos de lata quase todos os dias, enchem-nos de tapetinhos de pele de carneiro e perfumes. Ambos, homens e mulheres, carregam no perfume. Não é qualquer perfume: é o údi, ou Oud, ou Ud (certo mesmo, só em árabe), que é um perfume doce e por vezes asfixiante de tão forte.

É uma pena que nem todo árabe é cheiroso como os locais. Há cada "asa"... é uma pena as escrituras religiosas não mencionarem nada sobre lavar o subaco. Ao menos, ninguém tem chulé: lavam o pé 5x ao dia.

Agora, indianos ganham o prêmio "Red bull te dá asas". Tenho sempre o cuidado de evitar propagar generalizações preconceituosas: é claro que nem todo indiano fede. E há uma diferença entre exalar um pouco o cheiro do tempero forte da comida (cebola, pimenta assassina, curry) e uma potente subaqueira. Mas suspeito que alguns passam no corpo algum creme de anõezinhos mortos. E devem achar bonito. Tá louco. Viva o ud. Ou údi. Oud.

24.11.07

Rápidas antes de dormir

Uuuuuuaiiiii... mas que sono. Mas antes de dormir, aqui vão algumas respostas do sheik:

Ludimila Schiavon deixou um novo comentário sobre a sua postagem "... depois":


mas vc não explica como é que vc chegou por essas bandas. Conta pra mim, vai!?


Hmmmmmmmmmmmmm... não.

.
.
.
.
.

Ludimila, os sheiks são assim mesmo: oniscientes, onipresentes, atemporais. Por esta razão, não faz muito sentido em falar como por aqui aportei, justamente porque, dada a nossa atemporalidade (novamente o plural: o sheik é um e são muitos), este tipo de questão definitivamente não faz sentido.

Mas os sheiks também são benevolentes, misericordiosos. Sheik que é sheik manda prendê e depois manda soltá. Proíbe, e depois, em um ato de bondade cobrido pela imprensa, permite. Não responde, mas mostra o caminho através de respostas cifradas a serem interpretadas pelo Conselho de Sábios da Montanha.

E vai aqui mais uma mensagem aos Sábios da Montanha: internet. Ah, os malefícios e benefícios da senhora Globalização: ceifa centenas de empregos em um canto do globo e os recria, em zonas onde as pessoas trabalham em troca de um picolé e do dinheiro do busão. Globalização que cria uma zona seleta de empregos globais disponíveis nas regiões mais ignotas da internet apenas àqueles que falam a Língua do Império, a Novilíngua.

Chega de bobabem. Ludimila, eu te aconselho a dar uma olhadinha nos sites internacionais de empregos. Agora ficou até mais fácil, porque um destes sites abriu uma filial por aqui, onde é possível pesquisar empregos em todos os países árabes do Golfo:

http://www.monstergulf.com/

Os empregos se concentram por razões óbvias em Petróleo e Gás, Construção Civil, e um pouco de IT.


(...)
Agora vai a minha dúvida. Eu sou mulher, tenho 27 anos, sou solteira e pinto o cabelo de loiro. Sou formada, falo bem inglês, espanhol, italiano, arranho alguma coisa de árabe. Será que tem lugar aí pra mim ou é arriscado demais?


Caríssima Ludimila,

Uma vez encontrado um emprego aqui, sendo bem negociadas as condições de visto, acomodação e transporte, não há porque não vir.

Dubai tem muitos defeitos, mas é inegavelmente a cidade mais cosmopolita da região, onde o choque cultural de um ocidental é menor (não que seja pequeno).

A sociedade aqui é mais machista que no Brasil, mas nada que te impeça de pintar o cabelo ou levar uma vida independente. Dubai é uma cidade de estrangeiros, que são mais de 80% da população. Quem mora aqui, está cada vez mais acostumado com a diferença.

Há muitas mulheres que vêm pra cá sozinhas também para trabalhar, acredite! Conheço sírias, iranianas, marroquinas, francesas, inglesas, portuguesas e até brasileiras que aqui estão sozinhas no rock.

A não ser que você lide exclusivamente com árabes no trabalho, você provavelmente manterá hábitos semelhantes no ambiente profissional.

Glória DF deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Surf em Dubai":

.... mas... e a areia , faz fofi-fofi quando a gente anda ?? dava pra responder ???


Olha... tem tanta conchinha na areia da praia que o barulho mais provável é "créc-créc". Agora... se você pisar num prato de comida deixado por um farofeiro na praia, o barulho será "glitch!".

Uaaaai, que sono. É tanto post na sessão "Sheik Luís responde" que, daqui a pouco, mudaremos o nome disso para "Diálogos com um sheik". Meia-noite e dois por aqui. Massalama, turminha.

Abraço de sheik.

23.11.07

O gênio da lâmpada

Era uma vez um sheik que ia de camelo para o trabalho. No seu caminho, ele passava por uma avenida onde muitas pessoas, não conscientes do dever a cumprir com a pátria, com as criancinhas e com o planeta, apostavam corrida. Ele sempre sofria com as pessoas que corriam no caminho para chegar primeiro na fila do elevador da favela onde ele trabalhava. E no andar em que trabalhava, era como um galinheiro: sujo, fedido, e barulhento.

Eis que um dia, um poluidor muito malvado tentou ultrapassar outro poluidor e passou pertinho do camelo do sheik. O camelo se assustou e derrubou o sheik de cabeça em uma duna do deserto. Quando o sheik levantou da cratera que fez na areia, achou ali uma lâmpada.

- Olha, que legaaaal... uma lâmpada de ouro! Estou rico! Endinheirado! - disse o sheik. E começou a lustrar a jóia que encontrara - agora poderei comprar o meu ROLEX...

R-O-L-E-X: ele disse a palavra mágica. Neste momento, sai uma nuvem da lâmpada, e dela surge um homem tossindo:

- Cof, cof, cof! Marhaba sheik! Chocran ktir, tizak hambra! Eu estava preso nesta merda de lâmpada há anos. Ainda bem que Sua Alteza me libertou desta bosta de vida. Concedo-lhe, assim, 3 desejos.

O sheik então pensou. Olhou para seu camelo, para a corrida de malvados, olhou para o gênio e disse sem titubear:

- Respeitável Gênio. Para não contrariar Vossa Excelência, eu aceito a sua oferta. Meus desejos são:

1 - eu quero para sempre uma estrada só pra mim, para eu poder ir para o trabalho tranqüilo em meu camelo;
2 - eu quero para sempre trabalhar em uma favela onde eu não precise esperar 30 minutos pelo elevador;
3 - eu quero para sempre trabalhar em um lugar limpo e silencioso;

O gênio pensou, estalou os dedos e disse:

- Seus pedidos são uma ordem! Seus desejos serão atendidos em breve, ainda hoje... - chacoalhou então o seu ROLEX e foi para a praia ao lado andar de kite surf.

- Obrigado, Gênio. Mas... mas... e o que eu faço com esta lâmpada?

O gênio gritou lá de longe:

- Enfia!

O sheik então enfiou a lâmpada em seu alforje e seguiu ansioso para seu trabalho. "Mal posso esperar", disse ele.

Mas ficou desconfiado quando viu que o trânsito no caminho continuava uma merda. Quando chegou no elevador e esperou 40 minutos para subir, com um monte de bigodudos fedidos cortando a fila e encostando, teve certeza:

- Aquele gênio me enganou! Filho-da-puta!

Chegou chorando ao seu andar. Que lástima. Abriu desanimado o computador e compreendeu que o gênio não havia se esquecido dele. Lá estava um e-mail enviado com um dedo do gênio. O e-mail dizia assim:

Prezado Sheik,

Extraordinariamente neste fim-de-semana vamos estar fazendo uma manutenção nos sistemas e vamos estar contando com a sua colaboração para um esforço extra, enquanto eu estarei me divertindo com minhas concumbinas.

Por favor, esteja aqui na empresa durante todo o fim-de-semana às 8 da manhã.

Ass. O Poderoso, Impiedoso e Inquestionável Sheik Chefe









E foi assim que o Sheik trabalhou durante todo o fim-de-semana, que obviamente, durou uma eternidade. Teve a estrada do caminho para o trabalho só para ele e seu camelo, não pegou filas no elevador, trabalhou em silêncio. Curiosamente, naquele exato final de semana, uma das praias que o sheik costumava freqüentar sofreu um ataque de loiras ninfomaníacas enquanto o sheik trabalhava, que molestaram todos os homens que ali estavam. Estes depois classificaram o episódio como "o melhor momento de suas vidas".

MORAL DA ESTÓRIA

Não existe almoço grátis. E se alguém falar que é "Gênio da Lâmpada", encha-o de porrada.

Sheik para as crianças




E a comunidade infantil em Dubai não pára de crescer. Desta forma, ciente do seu dever a cumprir com a pátria e com as criancinhas, o sheik lança agora uma nova sessão, "Sheik para as crianças", onde ele ensina as novas gerações a sobreviver no paraíso dos endinheirados em tempos de aquecimento global.

Cada estória é uma releitura de famosos e consagrados contos infantis, terminando sempre com uma MORAL DA ESTÓRIA.

E com vocês, uma foto da Lara. É isso aí.

Casando com emiratis

Daniela Sosco deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Sheik Luís responde: quem é o Sheik?":


Olá Luis como vai?
Ouvi dizer que o Sheikh proibiu os homens de Dubai de se casarem estrangeiras, gostaria de saber se é verdade. Desde já obrigada!


Olá moça,

Não sei se isso é verdade não, provavelmente é mentira, mas isso não é muito aceito pelas famílias locais. Mas quem se casa com estrangeiras, não tem dim-dim do governo para cobrir as despesas da festa e da compra de uma nova casa.

Isso não impede os rapazes de aproveitar-se da fama de endinheirados para contar algumas mentiras, chupar algumas frutas estrangeiras até o caroço (aqui só cresce tâmaras), e depois se casar com 2 ou 3 locais.

Na verdade, eu já vi vários casais de homens locais com mulheres estrangeiras, mas nunca uma garota local com um estrangeiro. Isso ocorre principalmente com os rapazes que saem de Dubai para estudar fora do país.

A pergunta que uma brasileira atraída por um emirati tem que se fazer é: você estaria disposta a todo sacrifício ... por amor? Por este sacrifício, entenda-se:

1) adaptar-se à cultura local;
2) aceitar a poligamia do marido;
3) usar abaya;
4) achar bonito os móveis em estilo ro-co-có que seu sogro vai te dar;
5) gostar de bigode;

Não quero com isso dizer que um está certo ou errado, mas apenas deixar claro que há diferenças culturais consideráveis entre a sociedade brasileira e a local.

Há sim pessoas que atravessaram essa barreira: há algum tempo, um brasileiro aqui me contou espantado que em um dos shoppings da cidade ouviu alguém falando português no telefone, e quando se virou, deu com um casal árabe. Ela, de abaya, pediu gentilmente para ele conversar à distância, não dar a mão ou beijar. O marido ao lado jamais entenderia.