3.12.07

R.O.L.E.X.



Dubai, a terra dos endinheirados. Segundo alguns, "um lugar onde se pode usar artigos de luxo sem medo de ser roubado". Pois! Quem é que não tem um ROLEX? Só pobre que não tem.

Aliás, tem que ser muito pobre: desde que as grandes fabricantes de relógios de luxo expandiram seus negócios para China e Índia, nunca foi tão barato ter um ROLEX. E não só: Mont Blanc? Patek Philippe? Breitling? Em Dubai, custa 120 dirhams, sirrrr!

Ah, as benesses da globalização: não reclamem, pobres leitores, dos empregos perdidos por causa do temido neoliberalismo, essa coisa do capeta. Ela permite que você economize nos tickets-restaurantes para poder, ao final do mês, comprar um relogião bonito para impressionar a namorada. Ela olha e diz: "Hummm, ROLEX. Ele deve ser importante! Deve sair na TV!".

Pessoalmente, fico impressionado pelo modelo de negócio implantado na Ásia pelos nobres fabricantes de relógios europeus: uma parceria com os chineses - capitalismo? Lave a sua boca com sabão, leitor imundo! Socialismo com características chinesas - e pronto! Várias fábricas espalhadas pela China, competindo entre si pela produção de motores de tic-tac. A solução definitiva para o desemprego infantil na China! Mas a maior inovação mesmo foi o aproveitamento da rede mundial de computadores em seus negócios. Um destes modelos informava o local de fabricação: "MADE IN INTERNET" (E o pipoqueiro chora de alegria).

Fruto desta grande competição entre fábricas maoístas de motores de relógio, sobraram hoje apenas dois grandes jardins de infância concorrentes: a dos motores à pilha e a dos motores à corda (incrível! É só chacoalhar e funciona!). Estes jardins de infância resolveram o problema da crise no setor calçadista chinês (depois que o Brasil, país pujante, país do futuro, fez um PACto pelo crescimento e começou a exportar calçados, muitas crianças perderam, além dos dedinhos, o empreguinho nas fábricas de tênis Mike e "Double Sport". Agora, com petróleo então? Ninguém segura esse Brasilzão, esse "país que dá certo"): estes jardins de infância disputam a tapa as crianças com menos dedinhos, capazes de manipular pecinhas cada vez menores. Apresentam para isso, salários cada vez mais atraentes: além do tradicional salário-pirulito, oferecem competitivos prêmios como o pastel de pombo e a sopa de cachorro. Honra ao mérito!

Perfeito: onde há competição, há bom preço. E as fabricantes européias aproveitam! Aplicaram o mesmo princípio na distribuição de seus produtos, em uma grande parceria com os indianos: é tecnologia européia fabricada na China e na Internet e exportada por indianos para Dubai e para o mundo! Mais uma vez, grande concorrência: os indianos em Karama se digladiam para vender os mesmos relógios, fabricados pelas mesmas mãozinhas. E o indiano tenta justificar para o Fidalgo da Corte a diferença de preço entre um Patek Philippe e o modelo ao lado: "mas veja bem, sir: este não é qualquer relógio... este aqui é um Mont Blanc!". O Fidalgo da Corte não se contém: "Fuoooodasssi"...

3 comentários:

Anônimo disse...

Veja bem... É... "veja bem" aqui no Brasil significa tentar explicar o inexplicável. Tem até uma propaganda de uma argamassa. A parede ondulada e o pedreiro explicando ao patrão: "Veja bem..."
Eloelson

Katherine disse...

Oi Sheik! Tudo bem?

Venho acompanhando seu blog ha alguma tempo já, em virtude de um trabalho acadêmico que estou desenvolvendo. Como o mercado alvo que escolhi foi Dubai....

Achei muito interessante a forma como colocas os aspectos positivos e negativos de Dubai, como custo de vida, salário, oportunidades, paradigmas, choque cultural...parabéns!

Gostaria de saber se poderias me ajduar com algumas informações, creio q não serão muito difíceis de se obter, contudo, se não for encomodo...

Preciso de informações a respeito do consumo de MEL em Dubai...onde o produto é encontrado, a média de preços e, seeee não for pedir muito, qual o tipo de mel mais consumido (clarinho, escuro, forte...) e o tipo de embalagem.

Estou ha quase um mês efetuando pesquisas mas há certos dados que realmente só com uma fonte local para serem descobertos.

Desde já, agradeço sua atenção.
Uma ótima semana e Boas Festas!

Ps.: De fato..como será que são as comemorações de final de ano em Dubai? Natal? Ano novo...fica no ar uma idéia par aum futuro post!

Katherine Olsen Martins
Porto Alegre-RS - Brasil.
kathe.om@gmail.com

Anônimo disse...

Olah,

bom pelo menos relogio de ouro nao se usa neh, pela lei islamica o homem eh proibido de usar relogios, pulseira ou aneis de ouro.

Mas em compensacao, nao falta ouro nas mulheres neh..