12.12.07

Merci, si, mon ami

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Minha querida aulinha de farsi":

Oi,

eu nao falo farsi, mas Merci? O passarinho me disse que obrigado eh Tashakor :) E que se vc for lah eles vao falar muito : Khuda Hafiz ou Allah Hafiz.


Postado por Anônimo no blog Dubai F. C. em Quarta-feira, 12 Dezembro, 2007

Pois é,

Sabia que alguém ia tocar no assunto (claro! Os sheiks são oniscientes), então vamos lá. Seria o sheik um mentiroso? "O sheik é um enganador!", dizem uns, "Sheik falsário! Fale a verdade!", dizem outros. Os mais exaltados gritam queimando bandeiras: "To kúúneti, Sheik daiuz!".

Leitores... (suspiro franzindo a testa, e desensebando meu óculos em minha candura branca, que após, fica com uma rodinha amarela que só sai esfregando muito com sabão) assim são as verdades do mundo. Talvez, tudo na vida se resuma a uma disputa entre verdades, e lutamos por aquelas que nos deixam mais seguros perante a complexidade do desconhecido. Foi assim (e ainda é) a luta de cientistas contra o Criacionismo. Ibéricos, indignados com as verdades árabes dominantes na península em outros tempos, empurraram-nos, mouros, para o deserto do Sahara, para o pé das montanhas do Atlas (alguns ficaram ali, na foz do Tejo). E fizeram depois enormes tapetes e afrescos comemorando massacres que até hoje decoram museus, glorificando assassinos como heróis. Massacres como a Conquista de Ceuta. E assombrados pelas novas verdades das Américas, optaram por extinguí-las e extirpá-las das Montanhas de prata e ouro. Isso por não falar naqueles que se explodem por aí, pela supremacia da verdade absoluta. Felizmente não é este o nosso caso aqui: o sheik adora novas verdades, especialmente aquelas que o incomoda (sheik masoquista?).

Tashakor, Khuda Hafiz, Allah Hafiz? Confesso: sinto-me mais confortável com "MãRRRci". Tashakor também soa familiar. Gosto desse érre: "TashakoRRRRR". Seriam os Emirados de Leemairah e de Peer Al Sikabah os centros do Universo, berço da Humanidade, de onde surgiram muitos outros povos, dentre eles os persas? Está aí uma nova verdade, que acabo de criar, e que me traz um conforto enorme...

E o leitor esperneia: "Sheik! Você está enrolando!". E o leitor pergunta: "Sheik, é verdade?". Sim, leitor, talvez seja tudo verdade (eu já disse alguma vez que há "muitas verdades" por aí?). Tal qual em português, que se diz: "Obrigado!", "Valeu!", "Que Deus lhe pague em dobro!", ou "Muito agradecido!".

Ligo a rádio "Dubai Eye" e o idioma que ouço não me diz nada. Só um zum-zum-zum, e um aRR-aRR-aRR, ambos cantados de maneira singular, entremeados de um sonoro "MãRRRci". É farsi.

Merci: isso é o que sobrou de um passado talvez nem tão glorioso de guerras, invasões, e sobreposições de sangue, impérios e verdades, um léxico estendido que os puristas absolutistas chamam de poluído. Irã, Síria, Turquia, Armênia. Nestes países, pode dizer merci, que o seu interlocutor provavelmente entenderá. E se passar pelo Líbano, esnobe, misturando com árabe: "merci ktir!".

Takashor!

Massalama.

4 comentários:

Eduardo disse...

Em turco, é 'teshekkür ederim'. Os persas foram invadidos pelos turcos antes de Dario, com certeza.

Muito bom o nome dos seus emirados paulistas -- com o novo vôo da Emirates, as duas megalópoles em questão vão querer se juntar ao UAE com certeza =D

Anônimo disse...

Sim, essas megalópolis já estão negociando com os sheiks a exportação de tecnologia para fabricação do iogurte de soja e acreditem: bolinho de bacalhau!
Reportagem no Jornal de Leemairah.
De Leemairah para os Emirados Árabes.
Eloelson

galuppo disse...

sheik gostaria de saber como anda o mercado para tecnico de futebol em dubai grato desde ja
marciogaluppo@uol.com.br

marcelo disse...

Sou professor faixa preta de jiu-jitsu , treinador de wrestling e grappling.Gostaria de dar aulas em dubai como devo proceder?
Atte.
Marcelo Oliveira
marceloabjj@gmail.com