28.3.08

Art Dubai

E assim passou o Art Dubai. Tinha até galeria brasileira, a Milan de São Paulo; galerias portuguesas - uma de Lisboa, outra de Braga.

Passei por ali no último dia: gente chique falando francês, outras mulheres elegantes com cara "de quem comeu e não gostou": apesar da apologia à arte, das palestras e workshops, ninguém estava ali para reinventar a arte: o objetivo principal de quem estava ali era vender e uma certa decepção estava estampada na cara dos expositores. "Mas é assim mesmo, é a segunda edição do evento, é assim que a coisa começa", alguém comentou.

Uma obra de arte ganhou meu carisma: "Red Carpet 1". O autor? Já não lembro. Nome de autor árabe. De longe, um tapete persa. De perto, um mosaico de fotos pequeninas de um matadouro de bodes, cabras, ovelhas e afins. O conjunto assim ganha um tom ligeiramente sarcástico com o qual, por alguma razão, identifiquei-me. Mas a arte é assim: com a exceção dos especialistas conhecedores de todas as técnicas cujo olhar clínico e experiente reconhece logo o lugar-comum, a piada velha já contada, para os leigos, ela é uma chave que encaixa na fechadura de alguns e de outros não de acordo com fatores como o histórico de verdades em que cada um acredita, o humor naquele determinado momento, o time de futebol para o qual o cidadão torce.

Houve também uma foto que chamou a atenção: um rapaz servindo chá a dois rapazes que jogam xadrez em um país árabe. Na camisa do rapaz, a inscrição: "Plue Pird". Genial! Uma foto simples que abre um leque de possibilidades de explicações sociológicas e etnográficas sobre os costumes árabes. Nenhuma indicação do país onde as fotos foram feitas, mas eu chuto um: Egito.

Mas as melhores obras de arte mesmo fica para as visitantes do evento. Cada escultura... descobri assim minha vocação para lidar com o belo: quando crescer, quero ser artista, e só ligar com esculturas. Ah, isso sim!

Você vai me desculpar, mas intencionalmente, omito as fotos. Fica então o convite para que você feche os olhos e imagine um tapete persa formado por um mosaico de fotos de matadouros, uma foto de rapazes egípcios tomando chá, e centenas de esculturas rebolando de lá para cá, de olhares meigos e boca semi-aberta, lábios carnudos, brilhantes de batom, vozes aveludadas... uuhhh. Viva o Art Dubai.

3 comentários:

brunomig disse...

oi. Tudo bem?

Você é engenheiro aí no Dubai?
Eu também sou engenheiro e vi o seu blog enquanto navegava pela net à procura de referências de trabalho no Dubai.

Você me respondia só a uma perguntinha?

Como é trabalhar aí? e viver?

Estou pensando em investir algum tempo para dar esse salto, mas estou um pouco perdido. se você puer me ajudar, agradecia.

brunomig disse...

Se você puder me contactar, o meu mail é brunomigrodrigues@gmail.com.

Mirella disse...

Oi Sheik,
Desculpa invadir seu espaço.
Estamos criando um website, que tem como objetivo entrevistar brasileiros que vivem no exterior. Link: http://expatriados.wordpress.com/
Gostaríamos de convidá-lo a participar como entrevistado.
Se preferir seu nome pode ser fictício.
Se topar o “desafio” (que é bem fácil… risos!), entre em contato que mandaremos as perguntas. E-mail: expatriados.int@gmail.com
Estamos também aceitando sugestões (é claro!) e indicação de outros expatriados. A idéia é diversificar os países das entrevistas o máximo possível.
Obrigada!

Obs: Espero que aceite o convite!