14.2.08

Valentine's Day x DSF


Valentine's Day - dia dos namorados nos países capitalistas ocidentais
DSF - não, não tem nada a ver com Dubai SiFú: Dubai Shopping Festival, que acontece todo ano em fevereiro.

Passei ontem a noite pelo Spinneys e tinha uma bancada enorme na entrada, cheia de flores. Ao lado uma plaquinha:

- bouquet de rosas colombianas: 350 DH

Mas fui atraído pela lojinha de roupas de praia, logo ao lado:

- camisa de láicra (sim, senti um prazer em aportuguesar esta palavra): de 125 DH por 35 DH

Trinta e cinco dirhams (já ia aportuguesar de novo: derrames. Melhor, abrasileirar - portugueses escreveriam dirâmes. Mas derrames fica bruto, chocante: um derramamento de dinheiro na terra dos endinheirados. Ou o efeito que causa em alguns quando as latinhas insistem em escorregar do bolso) por uma (o período entre parênteses logo atrás ficou mesmo longo, mas tudo bem. Não sou eu que vou ler mesmo) camisa de praia, que protege do raios nocivos do sol, do frio das congelantes águas do Golfo (no inverno). Do calor das águas no verão (sopa. O bom de pescar no calor é que o peixe já sai cozido).

Você diz: frescura! Sim, frescura. Nos primeiros relatos de ingleses que aportaram por aqui - os únicos registros sobre o passado na região - dão conta de pessoas paupérrimas, pele queimada e cabelo comprido que viviam em casas de barasti, as folhas das palmeiras de tâmaras. Vestimenta? Apenas um pano enrolado na cintura. As roupas tradicionais de hoje foram adotadas após a descoberta do petróleo na região, que aumentou sensivelmente a renda dos pescadores de pérolas que aqui viviam. E eles sobreviveram, com sol e tudo, apenas com um paninho enrolado na cintura, sem frescura de camisa protetora de raios solares nocivos. Naquela época a palavra nocivo provavelmente sequer existia.

Frescura? Comprei a camisa. 35 derrames: se não almoçar hoje, já está paga. Não me julgue muquirana: o jejum purifica. Voltei ao Spinneys: um buquê de rosas pelo preço de dez camisas. E rosas não protegem contra os malvados raios solares. E rosas murcham em dois dias e já se acabou. Ainda bem que concumbinas não se importam com esses tradições ocidentais, cosméticas e vãs. O que importa mesmo é o amor, esta coisa bonita que une até produtores de rosas colombianos a meninas apaixonadas em Dubai.

2 comentários:

Anônimo disse...

Olá,
Gostei bastante do seu blog!
Recebi uma proposta de trabalho aí em Dubai, na área de T.I., ainda estou analisando, mas queria trocar uma idéia sobre o custo de vida aí?

Principalmente refeições e entretenimento (já que ninguém só trabalha nessa vida).

Hospedagem será paga pela empresa que está me "assediando".

Se tiver msn, gtalk, skype ou qq coisa do gênero ajuda na nossa conversa!

meu email/gtalk é: douglas.silvio [arroba] gmail.com

Ah! Também me interesso pelas diferenças culturais...me assustei com o post sobre as mulheres e já desisti de levar minha noiva, pelo menos por enquanto.

Abraço

Eduardo Al-Saud disse...

auhuheuheauheauheauheauhaeuheauhea

foto fantástica, fantástica!

É o Dubai Sifu melhorando a vida das pessoas :-)