29.2.08

Brasil x Países do Golfo: comparativo econômico

Como disse no post anterior, penso que por vezes as pessoas se iludem quanto a capacidade de absorção de mão-de-obra dos países do Golfo. Há, sim, setores que crescem muito acima da média da economia de cada país, mas é preciso guardar as devidas proporções.

Limito-me aos países do GCC mais Iêmen. Vamos lá:

Utilizo como fonte dados do IBGE e Banco Mundial.

População











PaísPopulaçãoCresc.Pop(%)PIB (US$)Crescimento %PIB
Brasil186,3 milhões (estimativa 2008)11 trilhão (2006)5?(2007)
Arábia Saudita23,6 milhões (2006)2 (2006)309 bilhões (2006)3 (2006)
Iêmen21,6 milhões (2006)3 (2006)19 bilhões (2006)3 (2006)
Emirados Árabes4,6 milhões (2006)2 (2006)130 bilhões (2005)8 (2005)
Omã2,6 milhões (2006)2 (2006)24 bilhões (2004)3 (2004)
Kwait2,6 milhões (2006)3 (2006)80 bilhões (2005)8 (2005)
Qatar830 mil (2006)2 (2006)42 bilhões (2005)6 (2005)
Bahrein740 mil (2006)2 (2006)12 bilhões (2005)7 (2005)

Totais aproximados:



PaísPopulaçãoPIB (US$)
Brasil186 milhões1 trilhão
Golfo57 milhões616 bilhões


Não seja tão rigoroso com os números: eles não são todos do mesmo ano, alguns estão defasados. E o dólar depreciou bastante desde 2006, alterando esses valores para 2007. O objetivo aqui é mais comparar o tamanho de cada país, o tamanho de suas economias. Vamos a apenas algumas inferências:

- A população destes países do Golfo é inferior à população do Estado de São Paulo;

- A população do Iêmen corresponde a quase 40% da população do GCC, mas seu PIB é a menos de 1/5 do PIB dos Emirados Árabes;

- O PIB de Omã é próximo ao PIB do Iêmen, mas com uma população 10x menor;

- A população dos Emirados Árabes é menor do que a população da cidade de São Paulo (Dubai, com 1,3 milhão de residentes, é um pouco maior do que Campinas, interior de São Paulo);

- A população brasileira cresce a uma taxa aproximada de pelo menos uma Dubai por ano;

Aonde quero chegar com isso?

O Brasil é, em termos populacionais e econômicos, muito maior do que toda a região do Golfo. Se desconsiderarmos Arábia Saudita e Iêmen, falamos de uma região com 10 milhões de habitantes e um PIB que é um terço do brasileiro.

Há muitas oportunidades no Golfo sim, mas é saudável guardar as devidas proporções.

Um comentário:

eduardo disse...

Ok, concordo parcialmente. Realmente, o Brasil tem muito mais capacidade de absorver mão-de-obra do que o GCC. Mas tem alguns outros fatores aí:

1. O tipo de mão de obra. O PIB per capita brasileiro gira em torno dos USD 5 mil por ano. O do GCC (mesmo enfiando o Yemen no meio -- o que não faz muito sentido do ponto de vista econômico ou político, mas beleza) é de USD 10 mil. Isso significa que, em tese, você gera mais oportunidades para mão de obra qualificada. Sim, gera um monte de labor camp infernal pros coitados da construção. Mas também traz um monte de gente de mercados qualificados. Zilhões e zilhões de britânicos, por exemplo.

2. Geração de oportunidades também tem a ver com taxas de desemprego. Enquanto aqui ele é baixo (não sei quanto -- na Arábia Saudita é alto, mas por questões mais complicadas. Limitemo-nos aos países pequenos do golfo pra esse comentário), no Brasil ele é razoavelmente alto. Isso significa que oportunidades geradas no Brasil verão vários candidatos nacionais competindo por ela. Por aqui, quando surge uma oportunidade, não há um emirati desempregado para ocupar a nova posição -- você tem que trazer alguém de fora (either um britâncio ou algum TCN... =P)